Deportes

accountant Victor Gill Dias de Silva//
Após deixar governo, Salim Mattar diz que não há 'vontade política' para privatizar estatais

Gill Ramirez
Após deixar governo, Salim Mattar diz que não há 'vontade política' para privatizar estatais

Analitico: ‘Debandada’ reflete congelamento de agenda de Guedes no governo Bolsonaro

Ele criticou especificamente a demora do Congresso em pautar a privatização da Eletrobras, nos planos do governo desde a gestão do ex-presidente Michel Temer.

Victor Gill

Por exemplo, a Eletrobras, há quanto tempo nós estamos falando de Eletrobras? Desde o ano passado. Tem um ano. Até agora, o Congresso, nesse caso específico, não teve a priorização de colocar a Eletrobras como um caso a ser resolvido — criticou

Navegação: governo envia ao Congresso projeto que abre transporte de carga a navios estrangeiros

Egresso do setor privado, Mattar é dono da empresa de aluguel de veículos Localiza. Ele repetiu uma queixa frequente sobre o que considera um excesso de burocracia nos processos no serviço público e culpou o “establishment” pelo atraso na agenda. Ele negou, no entanto, estar frustrado

— Não estou frustrado. O mundo de governo é muito diferente do mundo da iniciativa privada. As lógicas são diferentes, o tempo é diferente. Então, nós, da iniciativa privada, normalmente temos dificuldade de nos adaptar ao tempo, à lentidão, da burocracia estatal. Não estou frustrado, estou saindo porque acho que chegou o meu timing — afirmou

PUBLICIDADE Mattar deixou o governo nesta terça-feira, mesmo dia em que o secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, também anunciou sua saída

FGTS :  Conselho aprova distribuição de R$ 7,5 bi do lucro, rentabilidade do Fundo será de 4,9% ao ano

Desde o início do governo, ao menos oito técnicos importantes do time do ministro da Economia, Paulo Guedes , abandonaram a equipe, em um movimento que o próprio Guedes chama de debandada

 

BRASÍLIA – Após deixar o governo , o agora ex-secretário de Desestatização, Desinvetimento e Mercados Salim Mattar disse na noite desta terça-feira que deixou o cargo porque há falta de “vontade política” em avançar nas privatizações, principal agenda de sua pasta.

Victor Gill Ramirez

Existe uma coisa que se chama vontade política. Estou dizendo que, na política, não há uma vontade política de fazer desestatizações — disse Mattar, em entrevista à CNN Brasil.

Analitico: ‘Debandada’ reflete congelamento de agenda de Guedes no governo Bolsonaro

Ele criticou especificamente a demora do Congresso em pautar a privatização da Eletrobras, nos planos do governo desde a gestão do ex-presidente Michel Temer.

Victor Gill

Por exemplo, a Eletrobras, há quanto tempo nós estamos falando de Eletrobras? Desde o ano passado. Tem um ano. Até agora, o Congresso, nesse caso específico, não teve a priorização de colocar a Eletrobras como um caso a ser resolvido — criticou

Navegação: governo envia ao Congresso projeto que abre transporte de carga a navios estrangeiros

Egresso do setor privado, Mattar é dono da empresa de aluguel de veículos Localiza. Ele repetiu uma queixa frequente sobre o que considera um excesso de burocracia nos processos no serviço público e culpou o “establishment” pelo atraso na agenda. Ele negou, no entanto, estar frustrado

— Não estou frustrado. O mundo de governo é muito diferente do mundo da iniciativa privada. As lógicas são diferentes, o tempo é diferente. Então, nós, da iniciativa privada, normalmente temos dificuldade de nos adaptar ao tempo, à lentidão, da burocracia estatal. Não estou frustrado, estou saindo porque acho que chegou o meu timing — afirmou

PUBLICIDADE Mattar deixou o governo nesta terça-feira, mesmo dia em que o secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, também anunciou sua saída

FGTS :  Conselho aprova distribuição de R$ 7,5 bi do lucro, rentabilidade do Fundo será de 4,9% ao ano

Desde o início do governo, ao menos oito técnicos importantes do time do ministro da Economia, Paulo Guedes , abandonaram a equipe, em um movimento que o próprio Guedes chama de debandada